La Haine: Cobertura desde Guadalajara, México
Por la haine 30/05/2004 às 14:42

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2004/05/281698.shtml

Manifestação contra a cumbre euro-latinoamericana.

Guadalajara

Guadalajara

Guadalajara

Guadalajara

::: minuto a minuto :::

22:10 hora local: Segundo o Grupo Reforma, pelo menos 18 pessoas foram detidas durante os protestos registrados nas últimas horas na cidade de Guadalajara. Pelo menos 15 pessoas foram atendidas por paramédicos nas ruas, enquanto a Cruz Vermelha reporta o atendimento de 20 pessoas em suas instalações, que se encontram no Parque Morelos. Dos feridos, 8 se encontram em estado leve e mais 10 em estado regular, entretanto é possível que a quantidade de pessoas feridas durante a repressão aumente nas próximas horas.

20.30 hora local: 18 PRESOS. Segundo os primeiros relatos oficiais, a policia de choque conseguiu dispersar a manifestação e os grupos que enfrentaram o dispositivo de segurança tentando romper o cerco para ingressar à Cumbre de chefes de estado. Ao menos 10 pessoas foram detidas durante os protestos registrados nas últimas horas no Centro Histórico da cidade, inclussive duas mulheres. Segundo o jornal O Universal, os confrontos começaram enquanto o presidente Fox lia o documento final desta Cumbre.

20.00 hora local: Segundo inforaram à La Haine diretamente doCentro de Meios de Guadalajara, a polícia esta se juntando para fechar a esquina da rua onde se encontram, o que deixou muito dos repórteres que se encontram no centro bastante nervosos. Enquanto, o Grupo Reforma divulga que cerca de mil policiais de choque estão cercando agora os manifestantes no cruzamento de 16 de Setembro e Vallarta. Depois de ter conseguido tirar a cerca que estava em Pedro Moreno e 16 de Setembro, os ativistas foram em direcao a um novo grupo de policia de choque que estava frente a um estabelecimento de McDonalds.

19.30 hora local: MANIFESTANTES ROMPEM A CERCA DE SEGURANÇA. A cerca de segurança que dividia o batalhão de choque dos manifestantes foi rompida. Segundo o Grupo Reforma, com garrafas, paus e pedras grupos de anarquistas tentaram romper o cerco para ingressar ao Instituto Cultural Choupanas, lugar das reuniões oficiais. Ação Informativa em Resistência assegura à La Haine que a repressão policial se intensifica com gases lacrimógenos e espuma que irrita a pele. Mesmo assim os manifestantes conseguiram levantar as barras de contenção o que iniciou um confronto corpo a corpo com a policia. O número de agentes supera pelo momento ao de manifestantes que tentam passar o perímetro de segurança.

19.15 hora local: Segundo informaram à La Haine através do coletivo mexicano Ação Informativa em Resistência, a manifestação já chegou às cercas de segurança, na rua 16 de setembro, que protege a cumbre de chefes de estado. Os sindicatos, camponeses e organizações de ativistas correram consignas contra o neoliberalismo ao ritmo de batucada e tambores de baile, enquanto a polícia se concentra na cerca de segurança. Observa-se a presença de numerosos jornalistas neste ponto.

19.00 hora local: Segundo informa o meio Grupo Reforma, manifestantes anarquistas colaram adesivos libertárias e atiraram lixo na porta de um McDonald's, quando o contingente caminhava sobre a Avenida Vallarta e Progresso. Mesmo assim, um manifestante rompeu com um pau um anúncio luminoso que convida a entrada à trasnacional de hambúrgueres. Segundo este meio, alguns dos marchantes de grupos "humanistas e de paz" chegaram ao Mc Donalds para levantar o lixo que foi atirada pelos anarquistas para "demonstrar seu perfil de manifestação". Nesses momentos aconteceu um conflito entre anarquistas e jornalistas que tentavam tirar fotos durante a ação.

18.40 hora local: Segundo informa à La Haine o coletivo mexicano Ação Informativa em Resistência, a manifestaçã esta chegando neste momento às imediações do centro da cidade. Uniram-se vários contingentes de organizações sindicais e populares à marcha, que já estaria composta por umas 5000 pessoas.

18.00 hora local: Chefes de Estado da Europa, América Latina e do Caribe se reúnem hoje com o objetivo de "encontrar compromissos para fortalecer o multilateralismo através das Nações Unidas, combater a pobreza, eliminar o crime e a corrupção e estreitar os laços comerciais". Enquanto uns 3000 manifestantes se dirigem ao centro de Guadalajara para tentar chegar o máximo possível à Cumbre. O meio Grupo Reforma afirma que grupos anarquistas, nos primeiros passos da manifestação, arrancaram seis cartazes que estavam em postes e que davam as "boas vindas" aos participantes na Cumbre oficial. Outros grupos de manifestantes começaram também a pintar com aerosol os cristais e paredes dos comércios localizados na Avenida Vallarta, com sinais de amor e paz, também palavras como "xingamento" e "merda" nas lojas como a da Honda, a loja da Reebok, entre outras e o que não se salvou foi o elefante do Centro Magno. "íNão aos Transgênicos e fogo às multinacionais!", foram as frases que graffitaram em cor negra sobre os vidros do Oxxo localizado sobre Juan Ruiz de Alarcón e Avenida Vallarta.

17.30 hora local: Tem cerca de 20 minutos que começou a marcha, composta agora por cerca de 2500 e 3000 pessoas, desde a Glorieta A Minerva para o centro de Guadalajara, onde se situa o edifício de reuniões oficiais. Levam uns 300 metros de percurso e ainda há gente saindo da Glorieta. O ambiente é animado; o bloco anarquista dá cor à manifestação com uma batucada. Um membro do coletivo Ação Informativa em Resistência declara à La Haine que "vamos tentar chegar o mais perto da Cumbre, ainda que provavelmente a polícia vá nos desviar ".

17.00 hora local - Neste momento os manifestantes já se encontram na glorieta A Minerva e se dispõem a marchar para a cidade. A manifestação está dividida em dois blocos, por um lado está o bloco anarquista, composto por umas 800 pessoas, que cantam lemas como "morte ao fascismo", "não ao capitalismo", "educação e saúde para o povo" e "os rebeldes unidos". Por outro lado está o bloco sindical composto por umas 1000 pessoas, com gente do Partido do Trabalho, macheteros de Atenco, trabalhadores de Euzkadi e do Sindicato de Electricistas, entre outros, e portam cartazes com mensagens como "unidade com os colegas", "sindicatos unidos para o povo". Neste ponto não há presença policial. Observa-se um dispositivo de uns 40 oficiais que aparentam calmos. A uns 200 metros há uns 100 polícias, mas não são do batalhão de choque.

16.30 hora local: O coletivo mexicano Ação Informativa em Resistência informa ao vivo para La Haine desde o centro de meios de Guadalajara. ÀS 23 horas (16h em Mexico) estava convocada uma mobilização de protesto contra a Cumbre euro-latinoamericana, que saia de dois lugares: a Universidade e o Parque Juárez (onde se encontra o acampamento). Ambas as colunas convergeram-se na Fonte A Minerva, onde se partirá para a Cumbre de Chefes de Estado.

informespágina principalméxicowww.agp.org

valid xhtml 1.0